Popular Posts

© 2013 The Travelling Dandy. All rights reserved. PR XII-XII-MMXII. Powered by Blogger.

Labels

Ewy!

Top Slider

Portfolio

Labels

Contact

Name

Email *

Message *

Carousel

Instagram

About

Flickr

Facebook

Pages

Partying at...


En

All Dandies like to party. But more than partying, they like to party big and stylishly. New Year's eve is one of the most important parties of the year (at least it is the first important one!) and thus, the choice of the place to do it is of extreme importance. There are some important factors that one will be necessarily forced to consider: is there a dress code, does the place have style, do they serve nice food and good champagne, what kind of people will attend. For New Year's eve one won't certainly feel like dressing a pair of jeans and a squares shirt. Even a suit seems out of context. A black tie is the only acceptable dress code for such occasion. That, or a theme costume if it's a theme party. Another important point to consider is whether this dress code is merely suggestive or mandatory. There is nothing more distasteful than arriving in a party dressed according to the dress code, to find out that you are the only one that respected it. The dress code should always be respected, under penalty of no admittance. The choice of the place is also fundamental. There is nothing against partying in the neighbors' garage, since the neighbor decorated it lavishly. You will want to enter next year in a place that matches your spirit, mood and style, just as you will do so eating and drinking properly. It's a once a year party. It's worth investing in a good bottle of champagne to open at midnight. At last, you will want to make sure that the party will be crowded and above all, with the right people. New Year eve's parties in hotels and casinos are popular and often crowded. Just try to make sure before what kind of people will attend and find if you identify with them.


If partying at a hotel for New Year's eve reminds you of a tacky conference room converted into a ball room, with a food buffet and plenty of retired old people serving themselves at snail speed, drinking cheap wine and dancing at the sound of the nostalgics you're certainly not thinking of the Berns Hotel. Located in the princess of the Scandinavian cities, Stockholm, the Berns is the peak of creativity and sophistication of the nordic hotel business. Its two XIX Century neo-baroque spectacle halls are today the set of its restaurant and bistro, where you'll find out the wonders of the combination between nordic and asian cuisine, tasting inventive dishes that melt in the mouth. If you're lucky enough to get a room (you should book in advance for this time of the year) you can just take the elevator on the lobby and go straight up to your exclusive room. All rooms are different here. Different from each other and different from all other hotel rooms you might remember of. From minimalist suites to fetish ones, there is place for all tastes (a whip and a pair of handcuffs are some of the articles you might just find next to the mini bar).


Make sure to book your Dinner as soon as possible, as all the seats are sold out every year. If you had the chance enough to get the room plus the dinner than you'll be able to prepare yourself quietly at your suite and at the appointed time of the 31st of December just go down the elevator to get to the restaurant where you will find dozens and dozens of well dressed tables with a colorful mask for each guest. Speak with one of the hosts and he will help you find your seat, most probably next to some elegant strangers' tables with whom you will have the opportunity to speak and certainly laugh along the evening. Unless you've bought a group table for you and your friends. As soon as you're seated, a waiter will come to you with a champagne list ready to take your order, or even helping with his own suggestion (you will find in this list a wide variety of champagnes suiting all standards of quality and price). The dinner starts and the dishes are served one after the other. In between them an illusionism and other entertainment shows take place on the stage, common to both rooms. A very cool selection of ambience music will also go on to keep up with the conversation, as mirror glass balls go around in their axes reflecting little sparkling squares in the guests' faces and tables. Just before midnight the dinner is over and everyone stands up for the countdown, making their last orders of champagne of the year, as a DJ and entertainer control people's attention.


It is midnight, it is a new year and everyone starts kissing, making noise and opening more bottles to toast, as fireworks illuminate the room and silver and golden confetti fall down from the ceiling everywhere. This mood goes on for a while and suddenly, when you notice, all the hundreds of tables have disappeared and the place is converted into a large and opulent dance floor. In the meanwhile more guests join the party and everyone celebrates joyfully and loud. The bars are opened and it is time for the gin and tonics and all other sorts of cocktails and, of course, more champagne. Upstairs you can find a heated exterior area that serves as a cosy lounge, where all smokers meet each other to feed the vice and all those (temporarily) defeated by the frenetic dancing gather for a bit of chatting or even to eat a hot-dog, provided by the restaurant in authentic aluminum hot-dog cars, having a first row view over the snow outside that doesn't keep the Swedish from going on it, wearing nothing above their shirts in negative temperatures of two digits. By then, another door is opened from the main entrance, giving way to a staircase that goes down to one of Stockholm's most popular dance clubs and that is, go figure, just down to the restaurant, making part of the Hotel, having all guests guaranteed access. The golden painted walls and crystal chandeliers give way to an underground black and white club, full of neon and psychedelic lighting.


The party goes on and on between the three spaces and it only ends with the sun already rising over the snowy horizon. This is where getting a room in the hotel becomes particularly useful, as you can go up straight to your room, avoiding the freezing temperatures outside and the way home that seems now longer, when the only thing you wish for is your bed. It is January first and it is now time for the first sleep of the year. Good night and Happy New Year.



Pt


Todos os Dandies gostam de festejar. Mas mais do que festejar, todos gostam de o fazer em grande e com estilo. A Passagem de Ano é uma das festas mais importantes do ano (pelo menos é a primeira mais importante!) e, assim sendo, a escolha do local da festa é de extrema importância. Existem alguns factores importantes que vamos ter necessariamente que considerar: existe um dress code, o sítio tem personalidade, servirão boa comida e champagne de qualidade, que tipo de pessoas a frequentarão. Para a Passagem de Ano não teremos certamente vontade de vestir um par de jeans e uma camisa aos quadrados. Mesmo um simples fato parece insuficiente e inadequado. Não! Para a Passagem de Ano exigimos nada menos do que um smoking! Eventualmente uma fantasia se for uma festa temática. Outro ponto importante a considerar é se este dress code é meramente sugestivo ou obrigatório. Não existe nada de mais mau gosto do que chegar a uma festa impecavelmente vestido de acordo com o dress code pedido para descobrir que somos o único que o respeitou. O dress code é sagrado e deve ser sempre respeitado, sob pena de não ser aceite a entrada. A escolha do local em si também é, por si só, fundamental. À partida não temos nada contra festas na garagem do vizinho, desde que o vizinho a tenha decorado faustosamente. Quereremos entrar no novo ano num sítio que reflicta o nosso espírito, humor e guarda-roupa, tal como o vamos querer fazer a comer e beber dignamente. Esta é uma celebração que acontece uma vez por ano e vale sempre a pena investir numa boa garrafa de champagne para abrir à meia noite. Por fim, vamos querer certificar-nos que a festa vai ser frequentada e, acima de tudo, frequentada pelas pessoas certas. Os Reveillons em casinos e hotéis são populares e estão frequentemente cheias, certifique-se apenas antes do tipo de pessoas que as vai frequentar e veja se se identifica com elas.


Se festejar a Passagem de Ano num hotel lhe faz lembrar uma sala de conferências obsoleta convertida à pressa num salão de baile, com uma mesa buffet e dúzias de idosos reformados que se servem à velocidade de caracóis, bebendo vinho barato e dançando noite dentro ao som da rádio nostalgia, não estará certamente a pensar no Berns Hotel. Localizado na princesa das cidades escandinavas, Estocolmo, o Hotel Berns é o top da criatividade e sofisticação da hotelaria nórdica. Os seus dois salões de espectáculos neo-barrocos do século XIX são hoje o cenário do seu restaurante e bistro, onde descobrirá as maravilhas da fusão entre as cozinhas nórdica e asiática, podendo provar uma vasta selecção de pratos inventivos que se desfazem na boca. Se tiver a sorte de reservar um quarto (deverá fazê-lo sempre atempadamente, especialmente nesta altura do ano) poderá apanhar o elevador no lobby e subir directamente para o seu quarto. Quanto aos quartos... Todos são diferentes aqui. Diferentes entre si e diferentes de quaisquer outros quartos que se possa lembrar. Desde suites minimalistas a suites fetish poderá encontrar um pouco de tudo )um chicote e um par de algemas são apenas alguns dos artigos que poderá encontrar ao lado do minibar).


Certifique-se que marca o seu lugar para o jantar de Fim de Ano o mais cedo possível, uma vez que todos os anos esgotam, sem excepção. Se tiver a sorte de conseguir o quarto mais o jantar então será um dos privilegiados que, no dia da festa, se poderá preparar calmamente na sua suite, ouvindo uma boa música e, à hora marcada do dia 31 de Dezembro simplesmente saia do quarto, apanhe o elevador e desça até ao restaurante, onde vai encontrar dezenas e dezenas de mesas muito bem postas, com uma mascarilha colorida para cada convidado. Fale com um dos garçons e els ajudá-lo-á a encontrar o seu lugar que será, muito provavelmente, ao lado da mesa de um elegante casal de estranhos com quem terá a oportunidade de falar e partilhar bons momentos de riso ao longo da noite, a não ser que venha com um grupo grande de amigos e tenha comprado uma mesa de grupo. Assim que se sentar, um dos garçons virá ter consigo com a lista de champagnes, disponibilizando-se amavelmente a anotar o seu pedido ou, eventualmente a sugerir-lhe um (poderá encontrar nesta lista uma razoável variedade de champagnes com boas relações de qualidade e preço). O jantar começa e os pratos são servidos uns após os outros. Entre eles, espectáculos de ilusionismo e entertenimento desenrolam-se no palco comum 
às duas salas. Uma selecção de música ambiente muito cool serve de banda sonora às conversas ao longo da noite, enquanto bolas de espelho rodam nos seus eixos, reflectido pequenos quadrados de luz nos rostos e mesas dos convidados. Antes da meia noite o jantar terminou e todos se levantam para a contagem decrescendo, fazendo as últimas encomendas de champagne do ano, enquanto o DJ e entertainer domina as atenções de toda a gente.

É meia-noite, é um novo ano e toda a gente se começa a beijar, a fazer barulho e a abrir mais garrafas para brindar, enquanto fogos-de-artifício iluminam a sala e confetti dourados e prateados caem do tecto, um pouco de todo o lado. Este ambiente continua por algum tempo até que de repente, quando se olha em volta, todas as centenas de mesas desapareceram e as duas salas são agora uma grande e opulenta pista de dança, à medida que mais e mais convidados se juntam à festa para celebrar o ano novo em euforia. Os bares estão abertos e é tempo para os gin&tonic e outros cocktails bem como, naturalmente, mais champagne! No piso de cima encontra-se um lounge meio coberto e aquecido, onde todos os fumadores passam para alimentar o vício, bem como aqueles (temporariamente) derrotados pela dança frenética, que aí se encontram para conversar um pouco pouco ou até comer um cachorro quente que o restaurante providencia em autênticos carrinhos de cachorros em alumínio, tendo uma vista de primeira fila sobre a neve lá fora, que não impede os suecos de para lá irem em mangas de camisa, em temperaturas negativas de dois dígitos. Por essa altura, abre-se outra porta a partir da entrada principal, revelando uma escadaria que desce para uma das melhores discotecas de Estocolmo e que é, imagine-se, parte do Hotel, por baixo do restaurante, e a que todos os convidados tèm acesso garantido. Aqui as paredes douradas e os lustres de cristal dão lugar a uma disco underground branca e preta, repleta de luzes neon de cores psicadélicas.

A festa continua a decorrer entre os três espaços e só termina com o sol já a nascer no horizonte coberto de neve. É aqui que ter um quarto no hotel se torna particularmente útil, uma vez que o quarto fica à distância de um botão de elevador, evitando as temperaturas gelantes do exterior, a confusão dos taxis e o caminho de regresso a casa, que parece agora bem mais longo, quando a única coisa com que pensa é a sua almofada. É dia 1 de Janeiro e já está na altura do primeiro sono do ano. Boa noite e Feliz Ano Novo.

More info & booking: http://www.berns.se/

< >

No comments:

Post a Comment

Share your opinion | Partilha connosco a tua opinião